Please reload

Trigo: Setor debate expectativas e prevê dificuldades para 2021

26/11/2020

 

“Pela primeira vez, a Abitrigo promove seu congresso de maneira virtual, uma experiência nova, em um ano que foi totalmente atípico. A pandemia afetou a vida de todos: empresas e consumidores. Nós nos reunimos hoje para fazer um balanço sobre a situação dos mercados internacional e nacional e debater as expectativas para 2021”, declarou o presidente-executivo da Abitrigo, Rubens Barbosa, durante a cerimônia de abertura.

“Estamos passando por um período de grande transformação, saindo do mundo analógico e acessando o mundo digital. Nossos mercados enfrentam grandes mudanças e trazer para o debate as estruturas industriais e comerciais do trigo, neste momento, é de extrema importância para todo o setor”, ressaltou o Deputado Federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Alceu Moreira.

Com o tema central “Mudanças Recentes e o Futuro”, o evento debateu questões relevantes para toda a cadeia do trigo no Brasil e no mundo, por meio da participação de importantes players do setor.

Convidada para fazer a palestra inaugural do evento, a economista, pesquisadora do Peterson Institute for International Economics e professora da SAIS/John Hopkins University Washington, Monica de Bolle apresentou um panorama do atual cenário geopolítico mundial, abordando as perspectivas econômicas e sociais, com destaque para os impactos no Brasil.

“O ano de 2020 foi um período muito difícil, mas chega ao fim de uma forma mais auspiciosa do que esperávamos, com a sinalização de vacinas com resultados promissores. Entretanto, estamos vivenciando, em alguns países, sinais claros de uma segunda onda, que também chegará ao Brasil”, destacou. “Neste momento, o melhor é trabalhar com um cenário de melhora, mas com cautela. A vacina vai chegar, mas ainda teremos pela frente um processo longo e lento, pois o Brasil é um país muito grande e com diferentes desafios em cada uma de suas regiões”, acrescentou.

Sobre as relações internacionais, Monica reforça a importância da atenção com os Estados Unidos, principalmente com a eleição do novo presidente Joe Biden, que tem o meio ambiente como um dos pilares mais importantes do seu governo.

“O agro brasileiro precisará assumir um papel mais protagonista neste momento, demostrando todo o trabalho realizado pelo setor na área de sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Sabemos que temos muitos produtores preocupados com essas questões e caberá ao setor privado brasileiro fazer a trabalho com os EUA para evitar um possível estremecimento entre os dois países”, enfatizou a pesquisadora.

Please reload

Agroatividade 2016 - Agronegócio Ativo