Please reload

Setor de árvores cultivadas doa R$ 114 mi para ações de combate ao Covid-19

28/04/2020

 

Neste momento de combate ao coronavírus, as empresas de árvores cultivadas estão fazendo parte de um grande movimento da iniciativa privada, que está auxiliando o País a passar por esta crise. Bracell, Cenibra, CMPC (e sua subsidiária Softys), Duratex, Gerdau, Ibema, International Paper, Klabin, Suzano, Veracel e Westrock investiram, pelo menos, R$114 milhões em ações que beneficiam brasileiros em todo o território. 

Os recursos foram destinados para doação de equipamentos hospitalares; materiais de proteção a profissionais de saúde; itens de higiene; cestas básicas; além de produtos fabricados pela própria indústria, em 12 Estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Ceará, Bahia, Pernambuco, Maranhão e Pará. 

Uma crise dessa proporção exige união e solidariedade.  O setor de árvores cultivadas vem buscando o equilíbrio entre minimizar os efeitos devastadores da Covid-19, garantir que os produtos que saem das suas fábricas espalhadas em quase todos os Estados brasileiros cheguem aos hospitais e às residências onde são fundamentais, ao mesmo tempo que toma atitudes firmes para cuidar da saúde dos colaboradores. Este é um setor que cuida dos colaboradores, comunidades e do Brasil.

 “Na crise temos três certezas: há aprendizados, oportunidades e a crise sempre tem fim. As companhias têm tirado ensinamentos a cada dia, desde o cuidado com os colaboradores e terceiros até o auxílio às comunidades e demais brasileiros. Somado a isto, o trabalho social realizado pelas empresas está se mostrando essencial para Brasil enfrentar este momento”, afirmou Paulo Hartung, presidente da Ibá.  

Essenciais no dia a dia, os produtos do setor se mostraram a serviço da sociedade no combate à Covid-19. Foram 606 mil caixas de papelão doadas para transporte de álcool gel, entre outros itens. Mais de um milhão de copos de papel foram destinados para serem utilizados por instituições e pelo sistema público de saúde.

“O setor de árvores cultivadas tem trabalhado para cuidar do urgente e do fundamental. As empresas têm levado itens de primeira necessidade para auxiliar milhares de brasileiros nesta luta contra o coronavírus. Por outro lado tem dado todas as condições de trabalho seguro para continuar produzindo, manter a renda de centenas de famílias e não deixar que faltem produtos essenciais”, completou Hartung. 

Para melhor destinar suas doações, as companhias têm atuado junto ao poder público, estabelecendo parcerias com ministérios, governos estaduais, prefeituras, além de outras instituições, como federações da indústria, e entidades filantrópicas. Pela natureza de suas atividades, o setor atua, principalmente em regiões afastadas dos grandes centros e, neste momento, contou também com o apoio das associações estaduais como Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF), Associação Mineira da Indústria Florestal (Amif) e Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre). 

 

 

 

Please reload

Agroatividade 2016 - Agronegócio Ativo