Please reload

Governo descarta subir imposto sobre cerveja e açúcar sugerido por ministro

24/01/2020

 

O presidente Jair Bolsonaro descartou nesta sexta-feira um aumento da tributação sobre a cerveja e produtos com açúcar, rejeitando possibilidade levantada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que falou na véspera sobre estudos para criação de um “imposto do pecado”. 

 

Em Davos, onde participa do Fórum Econômico Mundial, Guedes disse que pediu para a sua equipe estudos sobre um imposto a ser cobrado em bens que fazem mal para a saúde, incluindo cigarros, bebidas alcoólicas e produtos com adição de açúcar. “Paulo Guedes, desculpa, você é meu ministro, te sigo 99%, mas aumento de imposto para cerveja, não”, disse Bolsonaro em entrevista a jornalistas após desembarcar em Nova Délhi, na Índia, em viagem oficial. “Não tem como aumentar, não consegue mais aumentar a carga tributária no Brasil. Todo mundo consome algo de açúcar todo dia, não dá para aumentar”, acrescentou.

 

A ideia sugerida por Guedes é similar a uma medida recente do Reino Unido, onde vigoram desde abril “impostos do pecado” sobre produtos com elevados teores de sal, açúcar e gorduras, com o objetivo de combater a obesidade infantil. Propostas nesse sentido, porém, enfrentariam óbvia resistência dos setores que poderiam ser taxados. A União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), associação de investidores do segmento, destacou que publicou artigo neste mês no qual se coloca contra um eventual aumento nos impostos de bebidas açucaradas, em resposta a projeto que tramita no Congresso.

 

Assinado pelo presidente da Unica, Evandro Gussi, o texto defendeu que “órgãos públicos, em sua atuação, devem respeitar a liberdade das pessoas” e argumentou que uma possível taxa sobre os produtos puniria os mais pobres.“Os exemplos de sobretaxação do açúcar foram frustrados no México e revogados na Dinamarca, pois o problema não está na oferta de bebidas ou alimentos açucarados, mas no comportamento das pessoas”, afirmou. Associações que representam empresas dos setores de bebidas e cigarros — Abrabe e SindiTabaco, respectivamente— não responderam de imediato a pedidos de comentário.

Please reload

Agroatividade 2016 - Agronegócio Ativo