Please reload

Macron diz que acordo com Mercosul não será assinado se Brasil deixar pacto climático

27/06/2019

 

O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou nesta quinta-feira que não assinará nenhum acordo comercial com o Brasil caso o presidente Jair Bolsonaro saia do acordo climático de Paris, ameaçando colocar em risco os trabalhos de negociações comerciais entre UE e Mercosul. As negociações da UE com o grupo do Mercosul, que abarca Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, o quarto maior bloco comercial do mundo, se intensificaram, com Bolsonaro dizendo este mês que um acordo poderia ser assinado “logo”, enquanto a UE o chamou de “prioridade número um”.

 

No entanto, a irritação da União Europeia em relação ao aumento de importações de carne e a hesitação do Mercosul sobre abertura de alguns setores industriais, como o automotivo, fizeram prazos anteriores para um acordo serem descumpridos. Se um acordo estiver perto, está além do alcance. A França em particular está preocupada com o impacto sobre sua vasta indústria de agricultura de importações sul-americanas, que não teriam que respeitar as estritas regulações de meio ambiente da UE.

 

“Se o Brasil deixar o acordo de Paris, até onde nos diz respeito, não poderemos assinar o acordo comercial com eles”, disse Macron a jornalistas no Japão, antes da reunião do G20. “Por uma simples razão. Estamos pedindo que nossos produtores parem de usar pesticidas, estamos pedindo que nossas companhias produzam menos carbono, e isso tem um custo de competitividade”, disse ele. “Então não vamos dizer de um dia para o outro que deixaremos entrar bens de países que não respeitam nada disso”, acrescentou o presidente francês.

 

Mais cedo neste ano, a França votou contra a abertura de negociações comerciais entre a UE e os Estados Unidos por conta da decisão de Washington de deixar o acordo climático de Paris. No entanto, a medida francesa não bloqueou a abertura de negociações comerciais porque a maioria necessária de membros da UE a apoiou. Não está claro se a França seria capaz de levar outros países do bloco a votarem contra o acordo do Mercosul.

 

Permanência será mantida

 

Já o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em encontro com o presidente da França, Emmanuel Macron, que o país vai permanecer no acordo climático de Paris e convidou o líder francês a visitar a região da Amazônia para verificar o trabalho desenvolvido pela preservação do meio ambiente, disse o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, nesta sexta-feira.

 

Segundo o porta-voz, que integra a comitiva presidencial na viagem ao Japão para a reunião de cúpula do G20, o Brasil “está e permanecerá” no pacto. Rêgo Barros disse que o encontro informal de Bolsonaro com Macron foi uma tentativa de “corrigir” a agenda da véspera. O encontro constava da agenda oficial do presidente brasileiro, mas foi retirado, e depois houve um acerto dos cerimoniais de ambos os países para realizar uma reunião de cerca de 30 minutos. 

 

O encontro entre Bolsonaro e Macron ocorreu após uma troca de farpas públicas nos últimos dias. Na quinta-feira, o presidente francês afirmou que não assinaria nenhum acordo comercial com o Brasil caso o presidente brasileiro saísse do acordo climático, ameaçando colocar em risco os trabalhos de negociações comerciais entre UE e Mercosul.

Please reload

Agroatividade 2016 - Agronegócio Ativo