Please reload

Conhecimento impacta mais a agricultura do que insumos, diz fundador da Embrapa

17/04/2019

 

O conhecimento sobre a agricultura impacta mais a produção do que insumos. É o que diz o fundador e ex-presidente da Embrapa, Eliseu Alves, a partir de dados disponíveis no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele mostra que, em todo o período analisado, que vai de 1975 a 2017, o conhecimento sobre sistemas de produção impactou mais a agricultura brasileira do que equipamentos, máquinas e sementes. Para Eliseu Alves, tão importante quanto ter um equipamento de último tipo é o conhecimento sobre a terra, os fatores de produção, o contexto da tecnologia.

 

O chamado conhecimento “não cristalizado”, aquele referente “ao que está entre as orelhas” é responsável por 89,8% da produção agrícola. Em 1979, este índice estava em 64,17%. A análise é feita a partir de estudo liderado por José Garcia Gasques, coordenador geral de Avaliação de Políticas e Informação, da Secretaria de Política Agrícola (SPA). O estudo mostra a taxa de crescimento da produção e da produção total dos fatores.

 

Os resultados mostram que a produção agrícola cresce a taxas mais altas do que as do crescimento de insumos. O cálculo é feito porque é possível saber qual o crescimento do uso de insumos e também o crescimento da produção. A diferença entre uma e outra (hoje de 89,8%) deve-se ao chamado conhecimento não cristalizado.

 

Eliseu Alves, que é economista com PhD em Economia Rural, explica que tratores, sementes e adubo, por exemplo, o que ele chama de “tecnologia cristalizada” ainda são simbólicos da evolução da agricultura, “mas, na verdade, nossa evolução é na inteligência para lidar com os diferentes fatores de produção”. Ele lembra que a agricultura brasileira não deu um salto com a chegada de equipamentos do exterior, mas sim com a capacitação de nossos profissionais. “Eles desenvolveram sistemas de gestão e produção, adaptaram, criaram novos insumos e fizeram a informação chegar ao campo”.

 

Para Eliseu Alves, há equívoco ao se identificar a produção agrícola apenas com insumos ou produtos. “Desenvolvimento está mais relacionado à gestão com informações atualizadas sobre os processos pelo agricultor do que o uso de uma determinada semente”. Atualmente o setor privado ocupa-se mais no desenvolvimento de novos produtos, como sementes, fertilizantes e máquinas.

 

O setor público se concentra na geração de conhecimentos indispensáveis para o aprimoramento da produção, como a forma adequada de aplicação de insumos, o melhor espaçamento nas lavouras, boas práticas de plantio, manejo, colheita e armazenamento, mapeamento dos riscos e as boas práticas para superá-los, dentre muitos outros. Assim, parte significativa da produção da pesquisa pública é informação e conhecimento, que não materializados, necessariamente, em insumos e produtos, visíveis e facilmente mensuráveis.

 

 

 

 

Please reload

Agroatividade 2016 - Agronegócio Ativo