• Assessoria

Sistema Famato lamenta morte da produtora Ilca Corral, irmã do presidente Normando Corral



É com profundo pesar que comunicamos o falecimento da produtora rural Ilca Corral Mendes Domingos, irmã do presidente do Sistema Famato, Normando Corral. Ilca faleceu nesta terça-feira de manhã (06/04) vítima de complicações da Covid-19. Ela chegou a ser internada em um hospital de Campo Grande-MS, cidade onde residia, mas infelizmente não resistiu à doença.


Ilca tinha 68 anos e era natural de Rinópolis-SP. Teve uma participação ativa no Sistema Sindical Rural de Mato Grosso do Sul. Presidiu o Sindicato Rural de Nioaque-MS e foi prefeita no município por dois mandatos consecutivos, com atuação expressiva na assistência social. Também foi diretora na Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul - Famasul.




A pecuarista era considerada pelos amigos, familiares e colegas de trabalho uma mulher forte, determinada, carinhosa e batalhadora. Muito atenciosa com a família, filhos e netos. Era casada com o auditor fiscal da Receita Estadual, Anisio Mendes Domingos, falecido no dia 27 de março passado, também vítima da Covid-19. Ilca deixará imensa saudade aos seus seis irmãos, três filhos e três netos.


Neste momento de dor e de tristeza, o Sistema Famato se solidariza com toda a família e amigos de Ilca Corral e reconhece a dolorosa experiência que tem sido despedir de pessoas vítimas da Covid-19. Desejamos muita força e fé a todos que passam por este momento tão delicado.


Presidência interina


O segundo vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Marcos da Rosa, assume interinamente a presidência da entidade neste mês de abril de 2021. O presidente Normando Corral irá se ausentar por motivos pessoais.

Marcos da Rosa nasceu em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, em 1965. Aos 22 anos, se formou em Engenharia Agronômica e no ano seguinte chegou à Canarana, no nordeste de Mato Grosso, para assumir as fazendas da família. Casado, é pai de três filhos. É produtor de soja, milho, sorgo, gergelim e cria gado em 2 mil hectares. Sua atuação como liderança dos produtores começou no Sindicato Rural do município, onde já foi presidente.

Foi diretor, vice-presidente e conselheiro fiscal da Aprosoja Mato Grosso, tendo sido um de seus fundadores. Idealizou o Movimento Pró-Logística. Foi presidente da Aprosoja Brasil no período de 2016 a 2018. Foi eleito por dois anos consecutivos (2016 e 2017) uma das 100 pessoas mais influentes do agronegócio brasileiro pela revista Dinheiro Rural.