Buscar
  • Embrapa

Brasil monitora praga que pode entrar no país e dizimar coqueirais e dendezeiros


Pesquisadores da Embrapa Tabuleiros Costeiros (SE) alertam para a possível entrada no Brasil do bicudo-vermelho, considerado uma das piores pragas que afetam as palmáceas e que, no País, pode atingir drasticamente plantações de coqueiro e dendê, inclusive as palmeiras ornamentais. Os cientistas recomendam atenção e monitoramento constante, além da aplicação de técnicas de manejo integrado de pragas (MIP) como, por exemplo, o uso de nematoides entomopatogênicos (NEPs) que parasitam os insetos. Também conhecido como bicudo-vermelho-das-palmeiras, esse besouro pode voar grandes distâncias e foi detectado na Indonésia em 1972. Em menos de 40 anos, a praga se espalhou no norte da África e na Europa mediterrânea. Em 2009, foi detectada na Califórnia, oeste dos Estados Unidos, e a partir de 2011, nas ilhas caribenhas de Aruba e Curaçao com potencial de chegar à América do Sul. Por esse motivo, pesquisadores brasileiros e colombianos lançam o alerta aos produtores, pois ao detectar a presença do bicudo ou escaravelho vermelho, denominado cientificamente Rhynchophorus ferrugineus (Coleoptera: Curculionidae), é recomendável entrar em contato o mais rápido possível com as superintendências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em cada estado, cujos contatos podem ser encontrados na internet. “Hoje, com a revisão da lista de pragas quarentenárias, esse inseto está sendo categorizado oficialmente como praga quarentenária ausente o que permite a adoção de medidas fitossanitárias nos pontos de fronteira para produtos hospedeiros da praga”, informa Paulo Parizzi, coordenador-geral de Proteção de Plantas do Departamento de Sanidade Vegetal, vinculado à Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa. A praga pode afetar 28 gêneros de palmáceas, que vão desde as ornamentais como a Phoenix canariensis, até as palmeiras comerciais de importância agrícola como coqueiro e dendê, que também compõe a paisagem do País, o que pode afetar até o mercado de turismo. Em face dessa ameaça, pesquisadores da Embrapa unem esforços em parceria com os pesquisadores colombianos da Corporación Colombiana de Investigación Agropecuaria (Agrosavia), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), em trabalhos de pesquisa de controle e combate à praga. “A praga já chegou às Antilhas, Aruba e Curaçao, cerca de 50 quilômetros da costa venezuelana. Devido à grande capacidade de dispersão, ela pode invadir países com grandes extensões de palmáceas comerciais como Brasil, Colômbia e Venezuela. Os estados do Pará e Roraima podem ser a porta de entrada no Brasil”, afirma o pesquisador colombiano Juan Pablo Molina Acevedo, da Agrosavia, especialista na praga, lotado na Unidade de Execução de Pesquisa e Desenvolvimento (UEP) em Rio Largo, Alagoas, vinculada à Embrapa Tabuleiros Costeiros, sediada em Aracaju. “Estamos alertas criando estratégias de controle e monitoramento para evitar que a agricultura brasileira e a colombiana, que estão expandindo suas áreas de cultivo de coco e dendê, sejam afetadas”, complementa. Como estratégia preventiva, pesquisadores da Embrapa Tabuleiros Costeiros e Agrosavia Colômbia publicaram um folder de alerta fitossanitário sobre o risco do bicudo-vermelho para o Brasil e a Colômbia, com objetivo de instruir os produtores caso detectem a praga em lavouras de coqueiro e dendê. A praga ganhou tanta relevância a ponto de ser organizado o Encontro Mundial sobre o Bicudo-Vermelho, que acontece em Bari, Itália, entre 23 e 25 de outubro 2108, quando serão discutidas as potenciais alternativas para contê-la.

1 visualização