• CNA

Setor produtivo solicita ajustes no Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019


A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) solicitou ajustes no Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019 para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O assunto foi tratado na quarta (15) em uma reunião com o secretário de Política Agrícola do Mapa, Wilson Vaz de Araújo. As principais demandas apresentadas foram o retorno da assistência técnica como item financiável do crédito com recursos controlados, a extensão do prazo para financiamento da cana-de-açúcar (que atualmente não atende ao período em que o produtor tem receita), a inclusão de armazéns usados na linha do Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) e a definição de um teto para a taxa de juros pós-fixada. “São demandas trazidas pelos produtores rurais para vermos o que ainda é viável ajustar nas próximas reuniões do Conselho Monetário Nacional, de modo a tornar o Plano ainda mais adequado ao que eles esperam”, disse a assessora técnica da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, Fernanda Schwantes. Outro assunto tratado no encontro foram as linhas que permitem a renegociação de dívidas de produtores rurais, anunciadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) e pelo Banco do Brasil na semana passada.


Segundo Fernanda, existem dúvidas em relação a dívidas que se enquadram ou não nessas linhas. O presidente em exercício da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, Pedro Loyola, também participou do encontro. “Queremos esclarecer melhor essas questões para que o produtor se torne adimplente de novo com as instituições financeiras e isso não prejudique a contratação de crédito para as próximas safras”, afirmou a assessora técnica da CNA. O secretário de Política Agrícola do Mapa, Wilson Vaz de Araújo, ressaltou que o Plano Agrícola e Pecuário já está no seu segundo mês de execução, mas ainda é possível ajustar alguns pontos. “A CNA é uma grande parceira nossa nas propostas de formulação do Plano. É normal que apareçam dúvidas e que precisemos fazer ajustes. Vamos avaliar, juntamente com a área econômica do Governo, e ver no que é possível avançar”, garantiu.