• ABPA

Exportações de frango somam 1,017 mi de t no trimestre de 2018


As vendas de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e processados), do Brasil totalizaram 1,017 milhão de toneladas, 5,6% a menos que as 1,078 milhão de toneladas registradas no primeiro trimestre do ano passado, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).


Em receita, as vendas do ano alcançaram US$ 1,605 bilhão, número 11,9% inferior na comparação com os US$ 1,822 bilhão dos três primeiros meses do ano passado. Considerando apenas o mês de março, o setor exportou 376,6 mil toneladas, desempenho 2,2% menor que as 385,1 mil toneladas registradas no mesmo período de 2017.


A receita dos embarques alcançou US$ 589,9 milhões, número 10% menor que as US$ 655 milhões do terceiro mês do ano passado. "O ano era promissor para o setor, mas a soma entre custos de produção em elevação e as suspensões de plantas pelo próprio Brasil para a União Europeia impactou negativamente o saldo do trimestre. Em março, as vendas de carnes salgadas, principais produtos importados pelos europeus, registraram perdas próximas de 50% em volumes", analisa Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA.


De acordo com o presidente da Associação, o setor tem grande expectativa com a retomada das exportações de plantas suspensas de empresas do setor pelo Ministério da Agricultura brasileiro para embarques à União Europeia, o que deve reparar impactos causados pela forte retração nas exportações para o bloco.


"A situação toda se refere a critérios de classificação de produtos, não de riscos ao consumidor. São empregos em risco, em um momento fundamental para a retomada econômica do País. Abrir um mercado toma anos de investimentos e é uma grande luta. Por este motivo, confiamos que o Ministério da Agricultura agilizará este processo de negociação com a Europa, tratando-o prioritariamente. Da mesma forma, acreditamos que as estratégias de explicações e eventuais correções devem ser repensadas, valorizando e dando crédito ao setor agroindustrial brasileiro. Ilegalidades devem ser combatidas, mas podemos pagar caro por decisões drásticas", analisa Turra.


CARNE SUINA:


No primeiro trimestre de 2018, os embarques de carne suína in natura alcançaram 129,3 mil toneladas, número 15,8% inferior às 153,4 mil toneladas obtidas no primeiro trimestre de 2017, de acordo com dados da ABPA.


No mesmo período, houve retração de 24,6% em receita, com US$ 275,6 milhões em 2018, e US$ 365,5 milhões no ano passado. "As vendas para a China seguem em forte elevação e o mercado segue como principal importador, posição que assumiu neste ano. Em relação a março de 2017, a variação alcança 178%, com 13,6 mil toneladas no mês passado.


O bom ritmo também foi registrado em Hong Kong, com elevações de 58%. Com as questões comerciais entre chineses e os Estados Unidos, há expectativa de que estes números cresçam ainda mais, retomando, aos poucos, o antigo ritmo de embarques, diminuindo as perdas causadas pela suspensão das vendas para a Rússia", analisa Ricardo Santin, vice-presidente de mercados da ABPA.


As vendas de carne suína in natura totalizaram 48,3 mil toneladas em março, volume 11,9% inferior às 54,8 mil toneladas registradas no mesmo período de 2017. Em receita, a retração foi de 26,8%, com US$ 101 milhões no terceiro mês deste ano, contra US$ 138,3 milhões em março do ano passado.