• Agropauta

Maior abatedouro de peixes do País é inaugurado no Paraná


A C.Vale inaugurou, nesta última sexta-feira (20), em Palotina (PR), o maior abatedouro de peixes do Brasil. O novo empreendimento vai fortalecer a piscicultura de água doce no estado. A nova unidade tem como meta abater 75 mil tilápias por dia até o final de 2018. Em processo de expansão, a piscicultura tem sido uma aposta de empresários do agronegócio no Paraná. A pioneira no ramo foi a cooperativa Copacol, que, em 2008, investiu em um dos maiores complexos integrados de peixes do país, instalado no Município de Nova Aurora.


Segundo o presidente da companhia, Alfredo Lang, com o novo abatedouro, a região Oeste do Paraná deve se tornar a maior unidade de processamento do país, chegando à capacidade total, que será de 600 mil peixes por dia. "Nós estabelecemos uma meta de 75 mil e devemos concluir isso no ano que vem. Na sequência, queremos ir para 150 mil e de 150 mil para 300 mil e de 300 mil para 600 mil. Este que estamos fazendo hoje é o maior e mais moderno abatedouro de peixes do país, com esse volume que estamos começando".


A estrutura física que está sendo construída, de 10.012 metros quadrados, foi construída com tecnologia suíça, norte-americana e brasileira, e terá capacidade de produção de 200 toneladas por dia. Ela foi construída para permitir a triplicação da produção apenas com a instalação de novas máquinas. A C.Vale ainda não tem previsão de quando o abatedouro vai alcançar a capacidade máxima de processamento.


Oportunidade

A decisão sobre a construção do abatedouro se deve à oportunidade vista, pela cooperativa, na cadeia de distribuição interna e de exportação de frango. Segundo o presidente Alfredo Lang, os mesmos clientes já manifestam interesse no mercado de peixes. "Vamos seguir o exemplo do frango. Vamos fazer o filé, ter outros produtos, fazer produtos cozidos também. Vamos caminhar através de nossos clientes de frango, que serão nossos compradores do peixe, estão aguardando. Tanto no mercado interno quanto externo", explica.


"É uma questão de tempo. O caminho já abrimos, que era o mais difícil: abrir o caminho para os clientes. E já temos mais pedidos do que estávamos planejando produzir inicialmente", comemora Alfredo. Inicialmente, a venda deve ficar restrita ao mercado interno. A produção vai começar com a integração de 70 cooperados. A C.Vale investiu R$ 110 milhões no abatedouro, que deve gerar 450 empregos. O abatedouro começou a ser construído em dezembro de 2016. A fábrica de rações que vai fornecer o alimento aos peixes entrou em operação em agosto.