• Agropauta

RS: Circuito de Inovação no Agronegócio em Bagé destaca sustentabilidade e agricultura familiar


O diretor técnico da Emater/RS, Lino Moura, foi um dos palestrantes da quinta etapa do Circuito de Gestão e Inovação no Agronegócio, que aconteceu em Bagé, nesta quinta-feira, na sede da Embrapa Pecuária Sul. O evento é promovido pelo Instituto de Educação no Agronegócio (I-UMA), com apoio técnico da Emater/RS-Ascar, Embrapa, Ministério da Agricultura e Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR). Entre os temas que foram debatidos no evento, estão gestão sustentável da agricultura familiar, integração lavoura pecuária e organização da cadeia da ovinocultura no Rio Grande do Sul. Na oportunidade, Moura falou sobre "gestão sustentável na agricultura familiar", apresentando a importância da agropecuária e agricultura para a geração de renda, empregos e insumos para os municípios. "Existe um descompasso entre a média de aplicação de recurso no setor e a importância que de fato a agricultura tem em todo o Rio Grande do Sul e Brasil", completa. De acordo com Moura, em períodos de crise econômica e intensas mudanças como, hábitos alimentares, crescimentos populacional, a grande exigência em termos de qualidade e quantidade de alimentos, envelhecimento da população, o crescimento de algumas culturas como a soja, nada mais é de que uma oportunidade para quem trabalha com a produção agropecuária, quando bem planejado e gerenciado. "Uma gestão mais eficiente, com redução de custos com mudança de sistema produtivo, organização dos recursos internos e redução da dependência externa, pode ser uma alternativa para melhorar o sistema produtivo". Outro assunto abordado pelo diretor técnico foi o Programa de Gestão Sustentável da Propriedade Rural, programa lançado pela SDR em 2016. O programa já conta com 20 mil famílias rurais envolvidas e 10 mil famílias com plano de desenvolvimento da propriedade e acompanhamento econômico e socioambiental. "O programa de gestão está mostrando, depois de um ano de acompanhamento de 5.039 propriedades, que, em média, essas famílias consomem mais de um salário mínimo por mês em alimentos, então é um salário mínimo que eles podem economizar ao produzir para o autoconsumo", garantiu Moura. A programação também contou com a palestra do pesquisador Naylor Perez, que abordou a integração lavoura e pecuária. Segundo o pesquisador, a transformação na produção primária da região do bioma pampa tem dividido opiniões, mas só trabalhando produtores, pesquisa e assistência técnica é possível fazer um trabalho de integração lavoura e pecuária de forma conjunta para o avanço do conhecimento e promoção de sistemas integrados. "Para melhorar nossa contribuição e as pesquisas chegarem no campo é preciso que trabalhemos de forma integrada, pois nesses momentos de transformações a grande dificuldade é construir sistemas que tenham produtividade tanto do ponto de vista animal e de grãos", avaliou. Finalizando a programação, o assessor técnico da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco), Edegar Franco, falou sobre a organização da cadeia da ovinocultura no Rio Grande do Sul. Franco apresentou o número de animais na região e o plano de desenvolvimento da ovinocultura e sua linha de ação, além das características de cada região e a territorialização da ovinocultura no Rio Grande do Sul. "Vamos caminhar todos juntos, essa é uma atividade que produz renda e é a principal fonte de proteína vermelha do produtor rural, então precisamos de foco para o crescimento e fortalecimento através da organização da cadeia produtiva", comenta.